Metal – a headbanger´s journey (2005)

O dia ontem foi ultra-corrido, mas tirei um tempinho
pra dar uma conferida no cinema. Assisti o documentário
Metal – a headbanger´s journey que, que, apesar de ser
de 2005 recém-estreou por aqui. Adorei!
O diretor-pesquisador-fã é o antropólogo Sam Dunn,
que apresenta a cultura e os laços de sociabilidade
e as comunidades formadas a partir desse
estilo musical/estilo de vida.

Me identifiquei bastante com a perspectiva dele
(de pesquisador imerso no empírico).
Sem contar algumas entrevistas bem legais,
principalmente com Bruce Dickinson e parte
sobre os subgêneros ( a entrevista com Vince Neil
falando dos poseurs e a parte na Noruega
abordando o black metal ficaram muito boas).

Recomendo a todos que gostam de música, para entender
as questões comportamentais-antropológicas.

Quadro com a Genealogia do Metal

Achei bem emocionante rever essa cultura na qual
eu comecei minha educação musical.
A Raquel vai adorar com certeza.

E, pra finalizar, por coincidência, algo que eu já
queria comentar há um certo tempo aqui no blog
e o que aparece no filme.

Nos últimos tempos, tenho visto um monte de pessoas
“babando o ovo” e defendendo Al Gore (claro, depois
do filmezinho marketeiro dele sobre o aquecimento global,
ao qual eu não vi e nem verei), mas parece que
todo mundo esquece que foi a mulher dele,
a insuportável Tipper Gore que, nos anos 90,
criou o maldito selo de Parental Advisory
apontando as letras “chocantes e imorais”,
espalhando seu ativismo e os “valores da família”
através do NPR (National Parents Resources).
Acho isso o fim da várzea!!

A vaca levou gente como Frank Zappa e Dee Snyder,
do Twisted Sister (essa parte aparece no filme)
a prestar depoimentos para o Senado. Nojo!!!!!
Então, antes de saírem falando bem de Al Gore
não esqueçam quem ele realmente é e a mulherzinha
que ele tem, uma psicóloga que defende
os “valores da família norte-americana”. tsc tsc tsc.

Em “homenagem” a ela Joey Ramone, lascou
a seguinte letra do álbum Mondo Bizarro:

Censorshit – Ramones

Tipper, what’s that sticker sticking on my CD?
Is that some kind of warning to protect me?
Freedom of choice needs a stronger, stronger voice.
You can stamp out the source, but you
can’t stop creative thoughts.

Ah, Tipper come on, ain’t you been getting it on?
Ask Ozzie, Zappa or me.
We’ll show you what it’s like to be free.

Ah, Tipper come on, it’s just a smoke
screen for the real problems.
S&L deficit, the homeless, the environment.

Hey, hey all you senators wives.
Better take a good look at your
own lives.
Before you go preaching to me.
You’re definitions of obscenity.

Ah, Tipper come on, ain’t you been getting it on?
Ask Ozzie, Zappa or me.
We’ll show you what it’s like to be free.

The irony it semes it seems to me
it’s un-American policy.
Yeah, we’e come so far but still only to
find people like you with ignorant minds.

Ah, Tipper come on, ain’t you been getting it on?
Ask Ozzie, Zappa or me.
We’ll show you what it’s like to be free.

Ah, Tipper come on, it’s just a smoke
screen for the real problems.
S&L deficit, the homeless, the environment

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s