Wayne Hussey @ Jokers, 10.04.08

I build myself a brave asylum /And ask all the madmen to play host/ And when the colours all fade away/ It’s time for us to give the ghost/ Give up the ghost/ And we close our eyes/ To dream a while /And we close our eyes /To dream a while/ Dream a while/ With bated breath for the kingdom come/ With bated breath for the kingdom come (Kingdom Come – The Mission)


O show do Wayne Hussey ontem foi simples e lindo. Cheguei no Jokers umas 22h15 morrendo de medo de estar atrasada porque ainda havia dado aula antes, só deu tempo de passar em casa, comer algo e tomar um banho. O som que estava rolando antes era de primeiríssima com direito a Nick Cave, Joy Division e até coisas que só ouço na minha casa rs, sim porque atualmente isso não toca em lugar algum… como Fields of Nephilim e X-Mal Deutschland.

Consegui a confirmação sobre Hussey estar morando no Brasil. É fato, ele está vivendo em SP (não entendi bem se nos arredores ou na capital) com sua esposa brasileira que ele conheceu quando esteve no BR pela segunda vez, parece que nos anos 90 e está gerenciando a carreira solo e os shows de despedida do Mission através da Internet. Ele se dirigiu ao público várias vezes em um português bem claro.


O formato despretensioso de guitarra acústica, violoncelo e teclado funcionou super bem – contrariando as minhas expectativas – limpando um pouco a carga dramática que as músicas tinham com guitarra, baixo etc, restando belas melodias. Apesar de estar com 50 anos (49, ele completará 50 em maio), o cara continua cantando muito bem e “apavorou” num vocal super difícil de “Tower of strenght”, entre outras. Além de tocar violão, ele também tocou teclado – num momento total Elton John “trevoso” rs – com direito até uma rosa vermelha rs e bebendo vinho, of course. O violoncelista também mandou muito bem fazendo por vezes o baixo, por vezes criando aquela ambientação que preenche o ambiente epicamente (que a boa música britânica necessita).


O show foi num clima misto de descontração e devoção com o povo cantando clássicas como “Beyond the pale” – com a qual ele abriu o show – “Wasteland“, “Shades of Green“, “Kingdom Come” e os hits mais conhecidos no Brasil: “Butterfly on a wheel (totalmente no piano) e “Severina“. Além de coisas do Mission – ok, o ponto negativo foi ele não ter tocado nada do Sisters of Mercy nem do Dead or Alive – ele tocou algumas canções de seu disco solo recente chamado Bare, que eu achei bem bonitas meio na linha “ethereal/ darkwave”, como “Garden of delight” além de alguns covers de “A night like this” do The Cure, “Ashes to ashes” do David Bowie – que ficou muito boa na versão só teclado, “With or Without You” do U2 (eu sempre achei Hussey fisicamente parecido com o Bono, mas com a passagem do tempo eles ficaram muito iguais rs ) e “God only knows” dos Beach Boys – essa realmente surpreendeu porque eu não esperava. Embora eu saiba que ele sempre toca algo pra quebrar tipo Bee Gees ou Aerosmith, pelo que andei vendo no Youtube.


Bom, ele não estava no visual oitentista clássico com cabelão comprido, chapéu, camisas de babado e makeup rs, (embora ele mantenha as argolas, anéis e pulseiras de prata) mas tava fazendo a linha corporate goth (hahahaha) com uma calça risca de giz muito elegante e uma camisa preta estilo “militar” e sapatos pesadões, estiloso e coerente com a proposta mais clean do show. Eu sempre me pergunto porque a maioria das bandas brasileiras no geral tem esse problema tão grave de não saber compor um figurino, ou então insistir na mesma coisa sempre aiaiaiai parece que o legal é todo mundo parecer sujinho e desgrenhado (seria culpa do grunge?)… ou então é algo totalmente fake. Bem, mas não vou entrar nesse mérito, o show foi realmente muito bonito para um público não muito grande, mas que conhecia as músicas e cantava junto. Obviamente, como não é nada hype modernoso, havia pouca piazada com exceção de umas meninas que deviam estar com os pais ou tios – o que eu acho muito bom – e nenhum indie rs – aliás esses indies perderam a total noção do que era ser originalmente indie, aula de história do rock neles. Recomendo a quem estiver em SP (12/04 no Clash) e Porto Alegre (13/04 no Santander Cultural) e quiser escutar um bom e velho britpop e gothic rock que confira o show no fimde, vale muito a pena.


Eu gostei mesmo e não pelo caráter de revival, mas por ele ter conseguido nesse show fazer versões diferentes das originais, mas que ainda mantém o espírito épico das mesmas. Outra coisa legal que rolou foi a integração, pois pude encontrar pessoas ligadas a essa cultura como o Doca, o Fábio Banks (das bandas Ziguarte e Peekaboo) e conhecer presencialmente o Pedro (Biodementia), com quem eu falo há tempos mas por azar nunca encontro, entre outras caras conhecidas. Além de notícias sobre a próxima Biodementia e o projeto de uma revista impressa sobre cultura obscura – para qual já estou convidada para colunista – novas sobre o II Industrial Noise Fest (festival de industrial que vai rolar em agosto) e um podcast que deve começar em breve🙂

Mas, para encerrar, faz tempo que tenho preferido concertos em locais menores, onde posso ver a banda de perto (estava bem na fila do gargarejo e ainda usando high heels, ou seja vi tudo) a megashows com milhões de pessoas. Esse show foi bem legal mesmo até para quem não é fã, mas gosta de ver bons músicos em ação e ouvir belas e tocantes melodias altamente cantáveis… rs. Eu me senti exatamente como em Like a child again:

Oh sweet thing
I’m born once again
For you sweet thing
just like a baby again
You make me happy and I hope you feel the same
And I’m in Heaven and it feels like a gentle rain
You make me happy and I want you to feel the same
You make me feel just like a child
A child again

* Crédito das fotos: Gorpo e Lady A

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s