Programação do GT “Comunicação e Cibercultura” na Compós 2012

E saiu a programação do GT “Comunicação e Cibercultura” da Compós 2012, que acontecerá na UFJF, em Juiz de Fora, de 12 a 15 de junho de 2012 enviada pelo coordenador Erick Felinto.

 Programação do GT “Comunicação e Cibercultura”

Dia 1

9:00h -10:00h – WIKIPÉDIA COMO SISTEMA ADAPTATIVO COMPLEXO: auto-organização e emergência na produção por pares

Carlos Frederico de Brito d’Andréa

Resumo: No artigo discutimos e analisamos a edição colaborativa da Wikipédia à luz de duas características fundamentais dos sistemas adaptativos complexos: auto-organização e emergência. Iniciamos com uma aproximação conceitual entre a “produsage” por pares em rede na internet e a teoria da complexidade, que ressalta a interdependência entre as partes que atuam ou influenciam um sistema em busca de um equilíbrio dinâmico. Em seguida, discutimos a edição de cinco “Biografias de Pessoas Vivas” de personalidades brasileiras na Wikipédia em português, visando entender como os processos editoriais potencialmente auto-organizados e emergentes se desenrolaram a partir das interações entre os agentes. Após a apresentação e discussão dos dados, discutimos os desafios de se conciliar a ordem e a abertura no desenvolvimento da “enciclopédia que todos podem editar”.

Relator: Marco Toledo Bastos (ou Rodrigo Travitzki ou Rafael Galdini Raimundo)

10:00h – 11:00h – GATEKEEPING EM TEMPOS DE TWITTER
A Emergência de Trending Topics Políticos no Twitter

Marco Toledo Bastos
Rodrigo Travitzki
Rafael Galdini Raimundo

Resumo: O artigo descreve a estrutura do gatekeeping em hashtags políticas do Twitter e discute a atualidade do conceito, que não obstante as múltiplas acepções, permaneceu topologicamente definido como um filtro ou gargalo de decisões. O impacto das redes sociais na mecânica do gatekeeping é ilustrado por meio de uma análise de correlação estatística de hashtags políticas que alcançaram a primeira posição na seção Trending Topics do Twitter. Os resultados indicam que a intensa atividade de indivíduos com conectividade relativamente baixa é capaz de criar Trending Topics, descrevendo com isso um cenário alternativo à visão hegemônica sobre a emergência de Trending Topics baseada na influência de usuários-hub (gatekeepers). Os resultados também confirmam as investigações sobre o consenso social resultante da influência de minorias engajadas, corroborando a tese de que uma opinião majoritária na população pode ser revertida por um pequeno grupo de indivíduos imunes à influência social.

Relator: Carlos D’Andréa

TARDE:

14:00h – 15:00h – RASTROS DIGITAIS: o que eles se tornam quando vistos sob a perspectiva da teoria ator-rede?

Fernanda Bruno

Resumo: Um volume expressivo de rastros de nossas ações são gerados, monitorados e tratados cotidianamente na Internet, constituindo imensos arquivos sobre nossos modos de vida. Estes rastros digitais vêm sendo apropriados por diversos campos: vigilância, publicidade, entretenimento, serviços etc. Mas eles também vêm sendo valiosa fonte de pesquisa em ciências humanas e sociais. O valor desses rastros está atrelado ao conhecimento que possibilitam e há, neste domínio, uma série de embates. Este artigo confronta dois modelos de conhecimento neste domínio, os quais têm implicações diferenciadas para uma política dos rastros digitais. O primeiro, vigente nos aparatos comerciais e policiais, concebe o rastro como evidência atrelada ao indivíduo e/ou a padrões comportamentais. O segundo, objeto maior de nosso interesse e inspirado na teoria ator-rede, entende os rastros como inscrições de ações que permitem descrever a formação de coletivos sociotécnicos.

Relator: Cíntia dal Bello

15:00-16:00h – MATERIALIDADES DA COMUNICAÇÃO E PRESENTIFICAÇÃO DO SUJEITO EM SITES DE REDES SOCIAIS

Simone Pereira de Sá
Beatriz Brandão Polivanov

Resumo: O trabalho tem por objetivo discutir aspectos materiais da comunicação nas plataformas de redes sociais, abordando os modos através dos quais os sujeitos se apresentam nesses espaços a partir de um estudo de caso: a escolha de personagens do universo midiático como imagens dos perfis em datas comemorativas. Problematizando-se o argumento que se baseia na crítica da hipervisibilidade do sujeito contemporâneo e partindo das premissas de que a) a comunicação supõe sempre um dado de “materialidade”, b) o consumo de bens culturais é produtor de identidades e c) os sujeitos se apropriam com frequência desses bens, escolhendo cada elemento a ser publicado “por seu potencial semiótico”, analisamos a troca de fotos de perfis por personagens infantis durante o último Dia das Crianças no site Facebook, a partir das categorias de auto-reflexividade e coerência expressiva dos sujeitos com os personagens.

Relator: Adriana Amaral

16:00h – 17:00h – “ESSES ROQUERO NÃO CURTE”: performance de gosto e fãs de música no Unidos Contra o Rock do Facebook

Adriana Amaral
Camila Monteiro

Resumo: O presente artigo explora o debate sobre o gosto e suas manifestações nos sites de redes sociais.  Discutimos a noção de performance de gosto (Hennion, 2007, 2010) como uma relação experiencial entre sujeitos, música e as materialidades da tecnologias. A partir da contextualização das discussões sobre o gosto e os fãs de musica, descrevemos e caracterizamos algumas formas empíricas dessas manifestações, tomando como amostra a fanpage Unidos Contra o Rock do Facebook. Dentre as observações iniciais destacamos o amálgama entre as disputas simbólicas e distinções sociais  (Bourdieu, 2008) no embate entre os gêneros rock e funk carioca; os elementos de capital subcultural (Thornton, 1996) e a sociabilidade ora lúdica ora combativa de fãs, anti-fãs, haters e trolls. Tais aspectos constituem modos de performatização do gosto musical atuando nas mediações entre a escuta e os gêneros musicais no contexto da cultura contemporânea.

Relator: Simone de Sá e Beatriz Polivanov

DIA 2

9:00h – 10:00h – JOGANDO POR UM IDEAL: breves notas sobre a influência dos games na história da interação humano-computador

Letícia Perani

Resumo: Desde o início da história da interação humano-computador (HCI, em inglês), uma possível influência dos jogos eletrônicos é apontada por diversos autores que pesquisam estas tecnologias de comunicação e informação (TICs). No presente artigo, a partir de uma breve revisão bibliográfica, com base em uma observação empírica da recorrência e na técnica do cruzamento de referências, pretendemos apontar alguns dos temas e eventos citados por pesquisadores deste campo, o que pode nos ajudar a compreender como nos relacionamos tanto com os games quanto com os dispositivos computacionais.

Relator: Fátima Régis

10:00h-11:00h – O ARTISTA E O APARATO TÉCNICO: entre os processos artísticos e os métodos da tecnologia

César Baio

Resumo:Este texto é uma reflexão teórica sobre as relações entre o artista e a tecnologia no campo da artemídia. Nota-se uma série de tensões que se estabelecem nos processos de integração e ruptura entre os procedimentos artísticos e os métodos das áreas de tecnologia. Embora eventualmente presentes na história da arte, essas questões ganharam novos contornos e proporções com o crescimento da facilidade de operação de ferramentas de desenvolvimento de software e hardware ocorrido na última década. Partindo da filosofia de Vilém Flusser, esse contexto é analisado com o objetivo de esboçar uma base teórica que ajude a compreender a postura ética assumida pelo artista em relação à tecnologia e a sua reverberação na produção contemporânea. Esta análise aponta para uma arte do aparato, em que a o artista passa a operar nas camadas abstratas das máquinas fazendo da materialidade da obra uma intervenção de dimensões políticas, éticas, epistemológias e cognitivas no seu contexto cultural.

Relator: Elizabeth Saad Corrêa

11:00h-12:00h – O ALGORITMO CURADOR:
O papel do comunicador num cenário de curadoria algorítmica de informação

Elizabeth Saad Corrêa
Daniela Bertocchi

Resumo: A recente cena das redes digitais tem indicado com ênfase a atividade de curadoria e a própria figura do curador como saída ao problema da abundância informativa em rede. Argumentamos, contudo, que na atualidade a curadoria da informação em ambientes digitais tem se manifestado mais como um procedimento automático algorítmico que propriamente humano. Com base em na revisão da literatura, reiteramos entretanto que o processo curatorial configura-se como uma atividade inerente ao campo da Comunicação. O comunicador tem competências para assumir papéis de seleção, filtragem, agregação e, mais importante, re-mediação de conteúdos para partilha em rede, inclusive com auxílio de algoritmos.

Relator: César Baio

TARDE

14:00h-15:00h – Espaço, Mídia Locativa e Teoria Ator-Rede

André Lemos

Resumo:O social é o que emerge das associações, diz a Teoria Ator-Rede (TAR). As associações entre actantes (aquilo que produz uma ação) humanos e não-humanos são sempre localizadas. A TAR busca analisar como se dão as associações e suas localizações para conhecer o social. Esse tipo de enfoque sobre o social pode ser particularmente interessante para se pensar a espacialização nos processos comunicacionais e, mais ainda, naqueles emergentes com as atuais mídias de geolocalização. Esse artigo se insere em uma pesquisa maior sobre as “mídias locativas” a partir da TAR. Aqui discutimos, particularmente, a noção de espaço.

Relator: Vinicius Andrade Pereira

15:00h – 16:00h – VISIBILIDADE MEDIÁTICA, VIGILÂNCIA E NATURALIZAÇÃO DO DESEJO DE AUTOEXPOSIÇÃO

Cíntia Dal Bello
Debora Cristine Rocha

Resumo: Este estudo tem por objetivo refletir sobre como a relação entre visibilidade e vigilância nos meios de comunicação contribui para a naturalização do desejo de autoexposição. Para tanto, parte das considerações de Foucault (1979) sobre a dinâmica do panopticon de Bentham e a instituição moderna do exercício do poder disciplinador pelo olhar; considera, com Santaella (2010), a sobreposição dos regimes de vigilância panóptico, escópico e por rastreamento; e propõe que a naturalização do desejo de autoexposição, tanto em plataformas ciberculturais de relacionamento quanto em reality shows, a despeito das possibilidades de indexação pelos regimes de vigilância, advém do modelo sinóptico, tributário da sociedade do espetáculo e da indústria cultural, conforme Bauman (1999).
Relator:
Fernanda Bruno

7 comentários

  1. Bia · abril 10, 2012

    A-M-E-I! =)))))))

    • Adriamaral · abril 10, 2012

      Bia eu tb AMEI!!

  2. Pingback: Wikipedia, games e gatekeeping no cardápio de discussões da Compós | Webmanario
  3. Pollyana Escalante · maio 21, 2012

    Nossa, adorei também!

    • Adriamaral · maio 24, 2012

      😉

      • Leticia · maio 27, 2012

        Oi Adriana! Que bom que você disponibilizou esta informação aqui no blog. Você sabe onde encontro a programação geral do Compós Juiz de Fora? Quais os dias do GT de Cibercultura? Obrigada

      • Adriamaral · maio 29, 2012

        Essa informação tu podes ver em http://www.compos.org.br
        Os dias do GT são 13 e 14 de junho

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s