Don´t Panic

Meus últimos meses têm sido muito conturbados em termos profissionais, pessoais, familiares, etc, mas a partir dessa próxima semana em que retornam as aulas – e tem mais um aniversário pela frente-,  decidi que vou voltar a me disciplinar pra escrever no bloguinho que ficou ai abandonado novamente por uns meses [também estou me prometendo retomar os exercícios, fazer os exames pendentes, entre outras coisas que abandonei]. Na verdade estou tentando me disciplinar em alguns campos que andam defasados na vida. Tenho alguns pequenos posts já na cabeça: a experiência como professora/pesquisadora visitante na Alemanha entre maio e junho, os eventos na Inglaterra (sobre fãs e música brasileira), o seriado Jonathan Strange & Mr. Norrell, as mudanças no Instagram, a 6a temporada de Game of Thrones, minha vida de madrasta e outras aleatoriedades que podem ou não fazer sentido. Também preciso dar uma atualizada em uns artigos cujos links sumiram daqui. Primeiro fiz uma limpezona na minha casa física (escritório, quartinho da bagunça, etc), agora é hora de dar um jeito aqui.

Nessa altura do campeonato de ser adulta, apenas preciso comentar que fazia muito tempo em que não sentia tanto pânico: um medo atroz dos caminhos que me trouxeram até aqui, do que vem pela frente, do que se foi, do que virá e eu desconheço, medo de errar, medo de gente extremista em todos os espectros, medo de me arrepender, medo de ter mudado a ponto de não mais me reconhecer, medo de parecer sempre a mesma, medo de deixar algumas mágoas e ressentimentos tomarem conta e perder de vista a big picture, medo de surtar, medo de me esconder em camadas de precaução, medo de perder a mão, medo de não conseguir segurar as marimbas. Medo de ficar levando um 7 X 1 ad infinitum da vida. Todavia, simplesmente não posso deixar que todo esse  pânico me paralise, estamos ai, respirando e segurando nossa toalha pelas galáxias em busca de aventuras. Vamos repetir a frase clássica de Douglas Adams: “Don´t Panic”!

12062406_10154209004784112_1230446882_o

Lápide do Escritor Douglas Adams no magnífico cemitério vitoriano HighGate Cemetery em Londres em um belo dia de sol. Crédito: Arquivo Pessoal Adri Amaral & Tarsis Salvatore

 

1 comentário

  1. Claudio Lima · agosto 4

    Oi, Adriana.
    Fã do Jonathan Strange & Mr. Norrel (além do Game of Thrones?) Li o livro da Susana Clarke uns 8 anos atrás e achei excelente. Dia desses vi a série e olhei também. Recomendei a vários alunos.
    Temática e ambientação surpreendentes para um livro, né?
    Abraço

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s